É apenas no último passo .

Que sua vida realmente começa.

O último passo ao abrir a porta da maternidade. O último passo para chutar a bola num importante jogo de futebol. O último passo para deitar num colo querido.

“Honestamente pensei que conseguiríamos ir até o fim, Com os pés descalços na praia dançando contra o cinza. Mas pedra por pedra o castelo caiu ao chão. Eu parei e assisti como você começou, A cair nas ondas. ” – The fray, Oceans away.
Somos crianças expostas ao tempo, a imaginação. Não importa a nossa idade, ninguém atinge a sabedoria necessária para conduzir sua própria vida. Portanto, é o que nos faz dependermos tanto de um amor, que há muito deixou de ser pregado por aí.
É apenas no último passo, ao sair de um consultório médico, que você exclama: Graças a Deus. Ou talvez, começa a criar inúmeras atividades antes de morrer.
É assim, as pessoas não dão valor ao último suspiro. Mas “morrem” de medo dele. Pois apesar de todas as alegrias que passaram “no controle” de suas vidas, não conseguem deixar de pensar: Não fiz tudo o que queria.
Se arrepender faz parte do ciclo, onde as pessoas deixam pra dar o último passo somente quando as coisas “apertam”.
Honestamente, pensei que conseguiríamos chegar ao fim… Isso não te lembra alguma ocasião? Onde a pessoa que precisava de sua ajuda anteriormente, dá uma crescida na alma, e você a olha, enquanto cai nas ondas? Isso é o tão almejado amadurecimento.
Ops, almejado?
Amadurecimento é sinônimo de sabedoria, e esta grita entre as casas, procurando quem a escute. Porém ninguém lhe dá ouvidos.
Éramos flores para a vida, mas recusamos o adubo, e assim morremos pouco a pouco, restando somente, que sirvamos de um possível adubo para alguma outra flor que nasça no mesmo canteiro.
Mas como não criamos proteínas suficientes durante nossa curta vida, quem aproveitará algo de nós?
Devemos ser os primeiros, a dar o último passo. Pois assim, evitamos de ficar magoados com alguem. De esquecer de pagar uma conta, ou de sair com seus avós.
Devemos ser os últimos a escutarmos a filosofia que cerca as estradas, lhe dizendo que você não deve nada a ninguém, pois na verdade, devemos nossa vida ao amor.
Amor esse que deu todos os passos até nós, e só falta escolhermos o último, a fim de que deitemos sob os seus ombros, e adquiramos a sabedoria que outrora fora esquecida.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s