. desconhecidos .

É Incrível como pessoas de longe podem nos fazer tão bem. Engraçada são as histórias, como conheço essas “figuras” onde eu realmente sei que posso contar e ter uma amizade sincera e ao mesmo tempo confiável. Não entendo o porque das pessoas de perto não saberem lidar comigo. Talvez a minha cabeça seja nas nuvens, ou a cabeça desses meus amigos de longe mais compreensivos, por não saberem o que eu passo. Me deparo todos os dias com uma desconhecida. No colégio, em casa, na igreja. Ela age como se tudo estivesse bem, ela sabe sorrir, sabe brincar, sabe aconselhar. Porém ela não vive o que ela fala. Ela fala de amor, mas sequer experimenta isso. Sabe que existe um alguém que a ama, mas faz de tudo pra negar esse amor. Ela se sente insuficiente, incapaz de prosseguir. Os amigos de perto a abraçam, diz que tudo vai ficar bem. Porém não é só disso que ela precisa. Tem horas que ela precisa de um carinho maior, alguém que sente com ela e apenas a escute.

Essa estranha, tem facilidade de fazer amigos. Virtuais, reais, seja como for. Todos sabem que podem contar inteiramente com a disposição dela. Ela praticamente vive a dor da pessoa, e comemora quando tudo está bem. Porém, ela conta com poucos amigos sinceros. Aqueles com os quais ela pode ser ela mesma sem ter medo de ouvir a palavra: Você é maluca. E apesar de serem poucos, esses amigos existem. Mas se ocupam com tantas outras coisas que ela se sente um incômodo de atrapalhar. Ela recolhe tudo pra si, sem saber ao certo como expor suas opiniões.

Aos de longe, um simples gesto de: estou parando pra conversar com minha amiga distante. Já é um grande prêmio pra mim.

Aos de perto, eu só queria sentar-me e deixar a música tocar, sem dizerem pra mim o que fazer.

Eu própria, mal me conheço. Sou uma desconhecida. Quem dirá os outros, que horas se demonstram fiéis, e por outras largam mão da amizade?

Eu só queria ser capaz de ser sincera, só queria ser capaz de lutar.

Anúncios

Um comentário em “. desconhecidos .

  1. É tão difícil ser sincero consigo mesmo, né?Principalmente quando a unica coisa que você conhece de si mesmo é aquela alegoria, aquela máscara que você criou pra poder conviver com as pessoas… Uma falsa imagem que você faz de tudo pra parecer real e só percebe frágil nos momentos que tudo que faz parte do seu mundo vira pó e fica perdido no meio do vazio onde tinha algo ou alguém. É triste viver em função dos outros, é triste viver em função de um ‘falso eu’, é triste poder ser sincero apenas com o ‘wordpad’, mas é ainda mais triste não viver em função de nada, não lutar por nada.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s